contato
contato
contato
Busca por:
Carrinho de compras:
0
R$ 0,00

pagamento

Áreas selecionadas

 AT (Acomp. Terapêutico.)

 Biografia

 Ciências

 Desenvolvimento pessoal

 Desenvolvimento profissional

 Espiritualidade

 Letras / Literatura

 Marketing / Administração

 Medicina / Saúde

 Metodologia

 Pedagogia / Psicoped.

 Psicologia / Psicanálise

 Revistas-livro (humanas)



 Informativo
Se você gostou da proposta de nossa livraria, preencha seus dados no espaço abaixo para receber nossos informativos.
Nome: 
E-mail: 
Código: 
Código de validação:
     
*Considerar as Letras em caixa alta
 

 Indicações
Você pode colaborar conosco indicando seus colegas e amigos para receberem nossos informativos clicando aqui.
 

Livro: Escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX, O

 
 
 
Livro: Escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX, O

 

Escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX, O

- 4ª Edição
Autor(es): 

Gilberto Freyre

Editora:  Global
Área(s): 

ISBN: 9788526001343


Páginas:248 pág.


Preço: R$ 58,80
  Disponibilidade: Por encomenda - envio estimado em 9 dias úteis + prazo do frete

Obs: sujeito a disponibilidade de estoque em nossos fornecedores.

Para localizar livros com prazo de envio bem curtos sobre o tema deste livro, faça uma busca por palavra-chave no campo acima .


Descrição:


Neste livro, Gilberto Freyre reuniu cerca de dez mil anúncios retirados de jornais do século XIX, como Diário de Pernambuco (Recife), Jornal do Commercio (Rio de Janeiro), entre outros. A partir de tais anúncios, ele flagra as relações que se estabeleceram entre os escravos e seus proprietários, desnudando as ocupações que os cativos vindos da África exerciam no Brasil - desde trabalhadores das lavouras de cana-de-açúcar até barbeiros e cozinheiros pessoais de seus proprietários. Além de destacar que os textos vangloriavam os atributos físicos das negras, o autor faz um estudo sobre as marcas nos corpos dos escravos que aparecem nos anúncios.

Algumas delas seriam relacionadas à cultura africana a qual pertenciam, mas outras seriam marcas da violência empregada pelos seus senhores. Freyre mostra o quão eram péssimas as condições de saúde da população escrava, revelando que era frequente nos anúncios de escravos fugidos, por exemplo, encontrar indivíduos doentes e com deformidades físicas - "negros de pernas cambaias", com "pernas tortas pra dentro", "zambos" - termos que indicam o excesso de trabalho dos cativos e os maus-tratos que recebiam por parte de seus senhores. "O escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX" traz uma iconografia e conta com o texto de apresentação de Alberto da Costa e Silva.

Sobre o autor
FREYRE, GILBERTO
- Nasceu em 1900, em Recife, Pernambuco. Em 1917 formou-se na Faculdade de Ciências e Letras. Depois de viver alguns anos nos Estados Unidos, voltou para sua terra natal em 1924. Foi colaborador da Revista do Brasil e do jornal A Província. Em 1933, publicou seu primeiro livro, Casa-grande & senzala, que se tornou um clássico da historiografia brasileira, tendo sido traduzido para diversos idiomas. Entre suas muitas obras importantes está também Sobrados e mocambos (1936). Ao longo da vida, recebeu vários títulos e prêmios, nacionais e estrangeiros. Morreu em 1987.




ARTIGO NO JORNAL O ESTADO DE S.PAULO DE 05/06/2010

 

Ensaio polêmico sobre os escravos

Obra que insiste no "caráter benigno" da escravidão utilizou anúncios de jornais

Lilia Moritz Schwarcz - O Estado de S.Paulo

Fugiu Diogo, de nação Calabar, falta de cabelo no alto da cabeça e um joelho mais grosso que outro, resultado de castigos. Fugiu Benedito, crioulo, oficial de carpina, já velho e desdentado, com cabelos brancos na cabeça. Fugiu Catarina, de nação Congo, cozinheira, traz marcas de pegas e ganchos.

Os jornais brasileiros do 19 estão repletos de anúncios como esses, que noticiam fugas de escravos. Sem distinção de sexo ou idade, tais documentos representam prova substantiva de como o cativeiro foi naturalizado no Brasil, e da maneira como a violência do sistema não assustava; ao contrário, era utilizada como forma de identificação.

E não foram apenas os anúncios de fuga que escancararam a presença escrava no País. Se neles se pretendia descrever objetivamente o "cativo fujão", de maneira a ajudar na recuperação; já nas inúmeras notícias de aluguel, venda, penhora ou seguro de escravos, a operação dava-se ao revés: tratava-se de exaltar as qualidades do "produto".

O fato é que nesses pequenos anúncios podem ser encontradas grandes pistas para entender como a escravidão mercantil transformou humanos em "coisas", "bens semoventes". E é em torno desse material que o antropólogo Gilberto Freyre se debruçou nos anos 1930 para escrever O Escravo nos Anúncios de Jornais Brasileiros no Século 19 (Global). Conhecido pela originalidade de suas pesquisas, Freyre mais usou dos documentos do que os analisou com vagar. Afinal, não por acaso o intérprete introduziu o subtítulo: "Tentativa de interpretação antropológica." Esse era seu método: levantar, descrever, e transformar casos isolados em modelos ilustrativos.

E os anúncios afirmaram-se como fontes destacadas na obra do autor. A documentação lhe serviu de pista para o levantamento das diferentes procedências dos africanos e comprovação da variedade de profissões. Além do mais, o material mostrou-se apropriado para entender que se escrevia assim da maneira como se falava: "Português brasileiramente." Por fim, por meio deles era possível prever os usos do corpo escravo, de parte a parte: com as tatuagens o cativo marcava sua origem, para que ninguém a contestasse; já o senhor usava do mesmo recurso para gravar em brasa sua propriedade. Como se vê, destinos diferentes se escreviam no mesmo corpo.

Pioneirismo. Conforme mostra Alberto da Costa e Silva, em excelente prefácio para o livro, a obra nasceu de um artigo publicado na revista Lanterna Verde em 1934, o qual resultara, por sua vez, de uma palestra de Freyre sobre o tema. Como no pensamento do antropólogo um texto puxa outro, logo viria nova conferência - sobre deformações nos corpos dos escravos fugidos - e mais outro ensaio. O livro mesmo só sairia em 1968, sem perder, porém, seu pioneirismo.

Se os anúncios já haviam sido utilizados em obras como O Abolicionismo, de Joaquim Nabuco, jamais ganharam tratamento sistemático. Talvez por isso o livro de Freyre ainda cause espanto.

Ao final da obra, ainda temos a chance de acompanhar Freyre se exercitando com imagens: ele comenta feições, adivinha desejos, testa aspirações. Mestre nos detalhes, o antropólogo não deixava nada escapar. Cada sinal se converte em pista; cada pequeno elemento tem a capacidade de iluminar vastas estruturas.

Pena é que, mesmo diante de documento tão expressivo, Freyre insista no caráter benigno da nossa escravidão. Nos prefácios que fez para o livro, tendeu a obliterar o modelo ambivalente que apresentou anteriormente, em obras como Casa Grande & Senzala ou Sobrados & Mucambos, quando o "&" mostrava como a realidade era mesmo ambivalente e avessa a verdades certeiras. Se no âmbito doméstico a escravidão nos legou a mestiçagem biológica e cultural, já como sistema - que previa a posse de um homem por outro -, não há como imaginar modelo mais violento. Aí estão os anúncios que não permitem cegueira fácil ou esquecimento seletivo.

LILIA MORITZ SCHWARCZ É PROFESSORA TITULAR DO DEPARTAMENTO DE ANTROPOLOGIA DA USP E AUTORA, ENTRE OUTROS, DE O SOL DO BRASIL: NICOLAS-ANTOINE TAUNAY E AS DESVENTURAS DOS ARTISTAS FRANCESES NA CORTE DE D. JOÃO (COMPANHIA DAS LETRAS)


VEJA O MAIS RECENTE INFORMATIVO DA NOSSA LIVRARIA, COM OS LANÇAMENTOS RECOMENDADOS

 
Livro: Escravo nos anúncios de jornais brasileiros do século XIX, O  
 
 
   
Home | Nosso atendimento | Resposta Eventos | .. | Editoras, autores, professores, instituições | . | EFT | . | Winnicott |  Fale conosco | SitePx